Esquema da Lava Jato pagou R$ 6 milhões a empresário de Santo André

Ronan Pinto já foi condenado por corrupção na gestão de Celso Daniel.
Ele foi preso da 27ª fase da Lava Jato, que apura destinatários da corrupção.

Operação-Lava-Jato1

A 27ª fase da Operação Lava Jato identificou um dos beneficiários do esquema de corrupção: o empresário paulista Ronan Maria Pinto recebeu R$ 6 milhões. Os recursos vieram de um empréstimo fraudulento que o pecuarista José Carlos Bumlai obteve junto ao Banco Schahin em outubro de 2004.

 

Bumlai já foi preso pela Lava Jato e é amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele admitiu ter feito o empréstimo, que totalizou R$ 12 milhões, e disse que o objetivo era pagar dívidas de campanha do PT e “caixa 2”. Investigadores ainda não confirmaram quem foi o destinatário final dos outros R$ 6 milhões.

O empréstimo foi pago por meio da contratação fraudulenta da Schahin como operadora do navio-sonda Vitória 10.000, pela Petrobras, em 2009, ao custo de US$ 1,6 bilhão.

O procurador Diogo Castor afirma que não se sabe ainda por que Ronan Pinto recebeu R$ 6 milhões.

já foi condenado a 10 anos, 4 meses e 12 dias de reclusão, em regime fechado, e pagamento de multa por concussão e corrupção ativa. Ele foi acusado de envolvimento em esquema de cobrança de propina de empresas de transportes contratadas pela prefeitura de Santo André, entre 1999 e 2001.

Deflagrada nesta sexta-feira (1º), a 27ª fase, chamada de Carbono 14, cumpre 12 mandados judiciais, entre eles, um de prisão temporária para Ronan Ele foi detido e será levado a Curitiba ainda hoje.

Mensalão e Lava Jato
Ao detalhar a operação, o procurador Diogo Castor afirmou que o objetivo era entender o caminho do dinheiro. Segundo ele, o esquema era muito parecido com o que ocorria no mensalão. Empréstimos fraudulentos, que não eram pagos aos bancos, foram usados para financiamento político.

Os dois casos ocorreram na mesma época. Alguns dos personagens, como o publicitário Marcos Valério, o ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares e o ex-secretário geral do PT, Silvio Pereira, estão envolvidos em ambos.

Preso na 27ª fase da Lava Jato, Silvio Pereira é apontado como articulador do repasse de recursos a Ronan Pinto. “Era a pessoa encumbida de arquitetar o esquema que culminou com concessão do empréstimo e com os repasses para o Ronan Maria Pinto. O senhor Marcos Valério fala que Silvio lhe procurou em meados de 2004 falando da necessidade de operacionalização de outro pagamento em favor do partido”, afirmou Diogo Castor.

Delúbio Soares é alvo de condução coercitiva nesta sexta. Ele foi citado como a pessoa que representou os interesses do PT junto ao Banco Schahin para obter os empréstimos fraudulentos, segundo os investigadores.

O que diz o suspeito
Em nota, advogados de Ronan diz que ele sempre esteve à disposição dos investigadores. “Há meses reafirmamos que o empresário Ronan Maria Pinto sempre esteve à disposição das autoridades de forma a esclarecer com total tranquilidade e isenção as dúvidas e as investigações do âmbito da Operação Lava Jato, assim como a citação indevida de seu nome. Inclusive ampla e abertamente oferecendo-se de forma espontânea para prestar as informações que necessitassem”, diz o texto.

 

Fonte G1

Sobre o autor

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *